segunda-feira, dezembro 09, 2013
0


Quanto ao ciúme, trata-se de questões consideradas comuns, por referir-se à emoções. É um tema universal. Vale ressaltar, que são  desenvolvidas por sentimentos,  onde cabe a reflexão dentro do entendimento da vida contemporânea. É importante lembrar que, esse sintoma pode desenvolver conflitos internos por se tratar de  diferentes emoções. Neste caso, o sujeito vivencia a existência da traição, cabendo à interpretação, se a percepção se manifesta de forma real ou em questões patológicas.

Dentro da realização de clarificação da leitura, o ciúme é compreendido como uma imprecisa e vaga certeza, consideradas linhas divisoras: da imaginação, crenças e fantasias. E mais, compreendidas como dúvidas e ausência de confiança, onde essa segurança deve ser transmitida pelo outro. Caso isto não aconteça, poderá se transformar em ideias supervalorizadas, o que potencializa o indivíduo, no que se refere a verificação de suas dúvidas.
Essa temática tem variações nas diferentes culturas e em todos os tempos. Na idade média por exemplo, o ciúme era relacionado a paixão, zelo e devoção. Seria o desejo de preservar o que era importante, sem nenhuma conotação de desconfiança ou possessividade.
A visão deste questionamento na sociedade monogâmica; é associado a moral e a honra. De certo modo, trata-se, de um instrumento que a família faz uso como proteção. Um imperativo biológico e/ou adaptação da paternidade.
Contudo, a fidelidade feminina até pouco tempo, tinha grande ênfase no seio familiar. Já para o masculino a infidelidade era mais aceita. Diante da modernidade, ainda se atribui a positividade a algumas manifestações de ciúmes, sendo sinalizado como cuidado e amor.
No entendimento contemporâneo, o ciúme normal ou ideal, pode ser transitório. Entretanto, baseado-se em fatos considerados reais, o desejo maior seria evidenciado pela  preservação do relacionamento. De modo que, o individuo ao demonstrar ciúmes, denuncia vivenciar a perda da confiança e o fim do relacionamento, ou do objeto que antes era considerado seguro. A perda do objeto e/ou individuo, para um rival, são questões geradoras de grande prejuízo no relacionamento.
Já o ciúme considerado patológico, é uma preocupação sem fundamento real, e algo não vivenciado. Nesse caso, se alimenta da percepção distorcida e depreciativa do amor. Refere-se ao inconsciente e, ameaça o objeto ou o individuo (rival).
Diante da relação do ser humano neste caso, poderá desenvolver motivação para homicídio, seguido muitas vezes de suicídio, por envolvimento em questão relacionadas à ideias delirantes de ciúmes patológicos. Levando em conta problemas psicoemocionais, que também envolvem: transtorno de personalidade, droga, alcoolismo, depressão, obsessão e muitas vezes chegando a esquizofrenia.
Alguns autores relacionam o ciúme patológico ao transtorno obsessivo-compulsivo. Nessa compreensão, o ciúme passa a ser vivenciado como irracional, e poderá desenvolver o comportamento compulsivo.

Considerando o ciúme delirante, o sujeito fica convencido da traição. Já no obsessivo, sentirá dúvidas, ruminações referentes às provas inconclusivas, onde há: incerteza, raiva e muitas vezes a própria certeza. Tudo isto é vivenciado no seu momento próprio.
Observa-se ainda que, no ciúme considerado normal e/ou ideal, o medo não tem prevalência. Neste caso o amor não é questionado, enquanto que no patológico, o amor do outro é bastante questionado, já que o medo da perda é contínua. No obsessivo-compulsivo, há muitas dúvidas, com verificações, medo de perda que são fenômenos observados no ciúme patológico. Vale lembrar que, o medo da perda não ocorre normalmente, ou seja, há um temor assustador da perda, para o outro (rival). Acontecendo prevalência de críticas, vergonha e culpa. Em alguns casos, estão presentes comportamento depressivo, envolvendo retraimento e dependência. Neste caso, existe maior demanda de demonstração afetiva, que se altera entre raiva e ameaça.
Se tratando de casos considerados extremos de ciúmes patológico e obsessivo-compulsivo; WRIGHT, realizou observações em 1994: Uma Senhora, que marcava o pênis do marido, assinalando-o pela manhã com auxílio de uma caneta. Ela fazia verificações dos sinais também no retorno do marido ao lar, no final da tarde.

Na compreensão psicodinâmica do sujeito que vive na linha da desconfiança, mesmo sem nenhuma traição ter ocorrido, houve em seu processo de desenvolvimento da sua personalidade estrutural, questões que contrariaram sua autoestima, tais como: insegurança, ao desenvolver complexo de inferioridade, que levou a perda da autoconfiança; redução de avaliação de valores (a menos valia), deixou de acreditar em si mesma. Para essa pessoa, o outro não é confiável. Quanto mais inseguro o individuo é, mais ciúmes ele tem!
Recomendação: Diante da existência de preocupações desenvolvidas em função do ciúme, é importante procurar um profissional de Psicologia, para avaliar a racionalidade ou não, dessa preocupação, o grau de limitações e/ou prejuízo.



Por: Cecy Calacina

0 comentários:

Postar um comentário