sexta-feira, dezembro 20, 2013
0

(José Serra e o pré-candidato do PSDB, Aécio Neves)


Depois de muita insistência e diversas tentativas para inviabilizar a candidatura de Aécio Neves (PSDB) ao Planalto, José Serra jogou a toalha e deverá ser o candidato a deputado federal mais votado do país, com aproximadamente 2,5 milhões de votos, segundo estudiosos das pesquisas qualitativas. A votação de Serra poderá superar quantitativamente a votação de Paulo Maluf em 1982, quando obteve 672.927 votos, equivalente a 5,8% do eleitorado de São Paulo; A de Enéas Carneiro em 2002 com 1 milhão 573 mil votos, ou 8,02%; a votação de Clodovil Hernandes em 2006 quando obteve 493.951 votos, ou seja, 2,4%; a de Tiririca em 2010, quando o palhaço da televisão foi o mais votado quantitativamente no Brasil, com 1 milhão 353 mil votos, correspondentes a 6,3%. Vale lembrar que na eleição de 2010, o deputado federal mais votado do país proporcionalmente foi o Antônio Reguffe do DF, com 266.465 votos, correspondente a 18,95%. Entretanto, a maior votação do Brasil proporcionalmente para deputado federal, se deu com o ex-governador do Rio Grande do Sul e do Rio de Janeiro, Leonel de Moura Brizola. Ele obteve 269.384 votos para deputado federal no antigo estado da Guanabara em 1962, cujo percentual chegou a 33%. Analistas políticos acreditam que José Serra poderá obter para deputado federal, votação acima de 2 milhões e 500 mil votos, o que representará no mínimo 10% do eleitorado do Estado de São Paulo. Com votação expressiva como esta, Serra poderá pleitear a presidência da Câmara dos Deputados, principalmente se Aécio Neves vencer a eleição para o Palácio do Planalto.

Embora discretamente, o ex-governador de São Paulo desistiu da terceira candidatura ao Planalto, quando anunciou em alto e bom som: “Os defensores da confirmação do senador Aécio Neves como candidato do PSDB à Presidência da República devem formalizar a indicação sem demora”, disse Serra. Vale lembrar, que a desistência de Serra se deu, após o decano do PSDB e maior eleitor de Aécio Neves no país, Fernando Henrique Cardoso, declarar aos quatro ventos que: “Quem pretenda ser candidato continuará sempre a esperar que algo inadvertido ocorra e mude o jogo. Aposta arriscada, mais não ilegítima. Cabe aos que não apostam no imprevisto empenhar-se para que a competição transcorra normalmente, mesmo porque os responsáveis por um partido não podem ficar paralisados à espera de um imprevisto, como uma doença num candidato, por exemplo”, detonou Fernando Henrique.

Aécio, já sabia com antecipação que Serra jogaria a toalha. Logo, acelerou os ataques ao Palácio do Planalto e recentemente em Florianópolis disse o seguinte: “Devíamos falar hoje de inovação, de produtividade, de inclusão das empresas brasileiras nas cadeias globais. Mas retrocedemos 50 anos. Voltamos a uma agenda do passado de baixo crescimento econômico e da perda de credibilidade do Brasil. O aprendizado do PT no governo está nos custando muito caro. Antes demonizaram o setor privado. Agora, se rendem com atraso. Planejamento é a palavra-chave do queremos para o futuro”, disse.

Tudo indica que o discurso carro-chefe da sucessão presidencial, cuja disputa deve ser polarizada entre tucanos e petistas; será a Estabilidade Econômica contra o Bolsa Família. Aluno e neto de Tancredo Neves, o mineiro Aécio, sabe que precisa de combater Dilma e o Bolsa Família, principalmente no Nordeste brasileiro. Ele disse recentemente no cafezinho do Senado ao Diário da Manhã, o seguinte. “O Bolsa Família tem que ser administrado com critério. É um programa importante e caso, eu seja eleito presidente da República, darei continuidade ao Programa, mas antes vou ouvir segmentos importantes que precisam do programa Brasil afora, especialmente nos estados nordestinos”, arrematou.

Dilma que não é boba e tem a orientação do animal político Luiz Inácio Lula da Silva e do Marqueteiro João Santana, já respondeu o neto de Tancredo: “Agora que o programa está dando certo, é óbvio que vão apoiar", atacou a presidente. "É sempre bom ver que eles reconhecem alguma coisa, durante um tempo o Bolsa Família foi chamado de 'bolsa-esmola'. Hoje não chamam assim porque sabem do reconhecimento internacional que esse programa tem", disse Dilma aos jornalistas no Palácio do Planalto.

Aécio agora parte com todo gás para os estados governados pelo PSDB e suas principais cidades: Alagoas, Goiás, Minas Gerais, Pará, Paraná, Roraima, São Paulo e Tocantins. Capitais: Manaus-AM, Belém-PA, Maceió-AL, Teresina-PI. Cidades importantes: Jaboatão dos Guararapes-PE, Sorocaba-SP, Ananindeua-PA, Santos-PA, Betim-MG, Campina Grande-PB, Piracicaba-SP, Pelotas-RS, Franca-SP, Blumenau-SC, Suzano-SP, Santarém-PA, Taubaté-SP e Viamão-RS.

Certamente, com a máquina poderosa comandada pelo PSDB e, a desistência de Serra e o seu apoio evidente ao projeto de Aécio Neves, o segundo turno se dará entre Dilma e Aécio. Quem viver e votar verá!


Por: Walter Brito

0 comentários:

Postar um comentário