quarta-feira, março 05, 2014
0
Ricardo Blat chega com 'Arte da Comédia'

Maria Eugênia de Menezes - O Estado de S.Paulo
Para dar conta da imensa quantidade de estreias - foram cerca de 400 em 2013 - a temporada teatral da cidade começa cedo neste ano. E promete uma boa safra de espetáculos, que contempla desde grandes musicais até produções experimentais.
Quem abre a agenda de 2014, no dia 9, éConselho de Classe. Indicada para o Prêmio Shell em três categorias (direção, autor e cenário), a peça se destacou no Rio no ano passado e sinalizou uma nova fase na trajetória da Cia. dos Atores. Em 2013, uma crise os forçou a abrir mão de sua sede. Enrique Diaz, cofundador da cia, e a atriz Drica Moraes também oficializaram a saída da trupe. Mas o que parecia ser o fim acabou por se tornar um renascimento para o grupo que completou 25 anos.
Escrito por Jô Bilac, autor festejado da nova cena carioca, o texto dá conta dos atuais dilemas da educação no Brasil. Em uma escola pública do centro do Rio, uma reunião de professores é interrompida pela chegada de um novo diretor. O encontro faz irromper conflitos e evidencia as relações de poder dentro da instituição. A direção da montagem está a cargo de Bel Garcia e Susana Ribeiro.
Outra boa promessa do ano a estrear ainda em janeiro, no dia 31, é o Tríptico Samuel Beckett. Dirigido por Roberto Alvim, traz a veterana Nathalia Timberg ao lado de Juliana Galdino e Paula Spinelli. As três se revezam para representar a história de uma mulher, da juventude à velhice. É o encenador da Cia. Club Noir quem assina a adaptação das três peças do autor irlandês: Para o Pior Avante, Companhia e Mal Visto Mal Dito.
Ao longo do ano. Alvim deve conduzir outros destaques da temporada. Com estreia prometida para junho, Terra de Ninguém, de Harold Pinter, vai reunir no elenco Antônio Fagundes e seu filho Bruno, além de Marcos Caruso e Caco Ciocler. No segundo semestre, o diretor encena Fedra, clássico de Racine, com trilha original composta por Thiago Petit.
Com Fausto, que deve entrar em cartaz em junho, a Cia. São Jorge de Variedades mergulha no universo de Goethe. Georgette Fadel dirige o grupo, que vai contar com as participações especiais de Edgar Castro, Pedro Felício e Ana Petta.
Irene Ravache e Dan Stulbach pretendem dividir o palco a partir de março. Sob a direção de Elias Andreato, eles encenam Meu Deus, da reconhecida dramaturga israelense Anat Gov. Na comédia, uma psicóloga recebe a inusitada ligação de um paciente angustiado - que lhe revela ser Deus - e pensa em pôr fim à sua vida.
Entredentes deve marcar o retorno do diretor Gerald Thomas aos palcos brasileiros. Em março, ele estreia a montagem que traz Ney Latorraca vivendo um personagem mediúnico em uma trama que se passa no Muro das Lamentações. Essa é a terceira vez que Gerald Thomas dirige o ator: eles já trabalharam juntos anteriormente em Quartett(1986) e Don Juan (1995).
Para os amantes dos musicais, 2014 também deve ser um ano agitado. Entre os mais aguardados está Jesus Cristo Superstar, uma releitura do diretor Jorge Takla (My Fair Lady) para o sucesso blasfemo da Broadway dos anos 1970. A obra entra em cartaz em março. No mesmo mês, aporta na cidade Elis - A Musical, com a atriz revelação Laila Garin no papel título. Se Eu Fosse Você - O Musical chega a São Paulo no segundo semestre, trazendo uma versão da comédia que se tornou um blockbuster no cinema.

0 comentários:

Postar um comentário