sexta-feira, setembro 26, 2014
0


Quem deve vencer em São Paulo: Marco Feliciano (PSC), Paulo Maluf (PP) e Tiririca (PR) (Foto: Reprodução)
1. "Nova política" ou "mais mudança" só na presidência
Pesquisa Ibope divulgada pela coluna Painel, da Folha, mostrou que o desejo de mudanças do eleitorado não irá se refletir nas escolhas da Câmara dos Deputados. Os candidatos que lideram as intenções de voto representam o que a política brasileira apresenta há anos. Na primeira colocação está o palhaço Tiririca (PR) – mesmo que foi o mais eleito nas últimas eleições –, que chegou ao final de seu mandato sem discursar na tribuna. Ainda que tenha participado de todas as sessões, sua presença não foi tão eficiente, já que não aprovou nenhum de seus projetos (todos relacionados ao circo), mesmo assim, o candidato que rebola até o chão na propaganda política deverá ser eleito mais uma vez (e possivelmente eleger com seus votos sobressalentes outros representantes de seu partido).
Seguindo o ranking, aparecem Celso Russomanno (PRB) – defensor do direito do consumidor, Paulo Maluf (PP) – que está com a candidatura pendente por causa da Lei Ficha Limpa, Baleia Rossi (PMDB) – filho do ex-ministro da agricultura Wagner Rossi “faxinado” por Dilma-, e Marco Feliciano (PSC) – pastor conhecido por suas declarações homofóbicas. Os partidos dos três principais candidatos ao Planalto - PT, PSB e PSDB - não apareceram na lista.
O eleitor paulista, a ver pela reeleição constante do PSDB no governo e a manutenção de velhos conhecidos políticos, não gosta mesmo de mudanças no fim das contas. 
2. Enquanto isso no Rio...
No Estado fluminense o quadro não é diferente. Lidera a lista Clarissa Garotinho (PR), filha do candidato ao governo Anthony Garotinho (PR). Outro herdeiro político Leonardo Picciani (PMDB), herdeiro de Jorge Picciani, presidente estadual da sigla, aparece em quarto lugar.
Além disso, outros três deputados parecem conseguir a reeleição nas primeiras colocações. Jair Bolsonaro (PP), conhecidos por sua defesa da ditadura militar, Washington Reis (PMDB), autor de projeto que permite que líderes religiosos se neguem a aceitar gays sem configurar crime que já teve seus direitos políticos suspensos por improbidade administrativa, e Eduardo Cunha (PMDB), líder da base aliada que promoveu uma “rebelião” contra Dilma em busca de mais cargos no governo federal.
3. Debate (quase) morno
“Linha auxiliar do PT uma ova”, foi com essa resposta que Luciana Genro (PT) se tornou meme pelo segundo dia consecutivo (será que irá roubar o posto de presidente da zoeira de Eduardo Jorge?). Apesar da frase acima, o debate da CNBB, realizado na terça-feira (17) em Aparecida, acabou não gerando embates diretos entre os principais candidatos e foi em sua maior parte feito de respostas esperadas em que os candidatos não saíram de suas zonas de conforto.
Fatality! Luciana Genro (PSOL) é comparada com o personagem Sub-zero do game Mortal Kombat (Foto: Reprodução/Twitter)
A maior emoção se deu quando Pastor Everaldo (PSC) aproveitou sua pergunta a Aécio Neves (PSDB) para criticar a Petrobras e Dilma Rousseff (PT). Nas réplicas e tréplicas os dois versaram sobre o recente escândalo e renderam à atual presidente um direito de resposta.

Quando o tucano perguntou a Luciana Genro (PSOL) sobre educação, a candidata ignorou a pergunta e aproveitou para dizer que PSDB e PT seriam iguais quando se tratava de corrupção, ao que foi chamada pelo mineiro de “linha auxiliar do PT” – o PSOL é quase todo composto por dissidentes do PT.
4. Nem que a vaca tussa
A campanha da Dilma prepara uma nova onda de ataques a Marina Silva. O PT se aproveitará de uma fala de Marina. Na terça-feira (16), a ambientalista disse que pretende fazer uma reforma trabalhista - apesar de não dizer o que pretende mudar. Nesta quarta, Dilma já partiu para o ataque. Ao falar com empresários em Campinas, Dilma disse que a legislação trabalhista pode mudar, mas sem comprometer direitos como férias e décimo terceiro salário. "Quando se mudam as relações de trabalho, a legislação tem que mudar. Mas essas mudanças não podem comprometer direitos. Vamos ter clareza sobre isso: décimo terceiro, férias e hora extra, [não se muda] nem que a vaca tussa", disse Dilma, segundo a Folha.
5. Programa de governo escrito a lápis
O candidato do PSDB à Presidência, Aécio Neves, participou de um encontro com mulheres em São Paulo e também resolveu ironizar Marina. Aécio foi questionado sobre quando sairá seu plano de governo, que até o momento não foi publicado. Ele respondeu fazendo uma referência a uma errata que Marina publicou mudando o trecho sobre políticas LGBT de seu programa de governo. "Estou tendo um cuidado porque o meu programa vai ser escrito à caneta e não a lápis para apagar diante das circunstâncias", disse Aécio, segundo o iG. O seu plano de governo ainda não tem uma data de lançamento.
6. No ranking de punições, Dilma lidera
Se a corrida eleitoral fosse disputada de acordo com o número de punições por propaganda eleitoral irregular, Dilma Rousseff ganharia com folga. Um levantamento do jornal O Globomostra que a petista foi punida 17 vezes pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Enquanto isso, Aécio recebeu cinco punições, e Marina apenas uma. Os casos se referem a irregularidades em propagandas ou panfletos e, até o momento, não houve caso de aplicação de multa aos presidenciáveis. As sanções são um sintoma do tom belicoso dos programas do horário eleitoral. Com a indefinição sobre quais candidatos irão ao segundo turno, os partidos subiram o tom nas últimas semanas. Um exemplo recente é o "Pessimildo", um fantoche criado pela campanha do PT para ironizar as críticas ao governo.
 
Propaganda de Dilma Rousseff (PT) criou o personagem "Pessimildo" (Foto: Reprodução/You Tube)
7. Sarney, um piadista
O senador José Sarney (PMDB) encarnou o comediante e contou uma piada durante comício em apoio a Lobão Filho, candidato do PMDB ao governo do Maranhão. Lobão está atrás nas pesquisas, enquanto Flávio Dino (PCdoB) lidera a intenção de voto. "O Flávio Dino, com aquela barriga grande de desembargador, deu uma esmola para um ceguinho", disse Sarney, e continuou. "Ele perguntou: você sabe quem está te dando essa esmola? É o futuro governador do Maranhão. No que o cego respondeu: Lobão, muito obrigado!". Segundo O Globo, Sarney também aproveitou para criticar Marina ("tem cara de santa, mas prega o ódio") e disparou contra os seus adversários políticos no Maranhão. "Não tem um que não tenha me bajulado. Se eu pedisse, eles iam lamber meus pés". 
8. Em MG, candidata leva socos por suas propostas eleitorais
A candidata pelo PCO ao governo de Minas Gerais, Cleide Donária, de 43 anos, foi agredida no domingo (14) em Venda Nova, na região metropolitana de Belo Horizonte. A funcionária pública andava sozinha para um ato de campanha quando foi atingida por um soco na barriga de um homem desconhecido. Como relatou ao Estado de Minas, o homem estava armado e gritava impropérios como “Cadê o seu partidinho de merda para dissolver a PM?” “Dissolve a PM agora sua prostituta” “Sua negra vagabunda” e cuspia nela. O Partido da Causa Operária defende o fim da Polícia Militar e a criação de milícias populares “para proteger os trabalhadores”.
A candidata Cleide Donária (PCO) foi hostilizada e agredida por defender o fim da Polícia Militar (Foto: Divulgação)
A candidata chegou a considerar desistir da candidatura após o ataque. “O susto foi muito grande e fiquei com vontade de deixar a eleição. Mas, conversando com companheiros, resolvi continuar participando da disputa. A campanha vinha tranquila, com debates produtivos em escolas e universidades, sempre com respeito às propostas diferentes. Não sei se alguém se sentiu ameaçado com nossas ideias, mas em uma democracia é essencial saber lidar com o pensamento de outros partidos”, afirmou a candidata. A polícia vai tentar identificar o agressor por meio de câmeras de segurança da região.
9. PT deixa expulsão de Luiz Moura "pra depois"
O PT de São Paulo decidiu adiar o processo de expulsão do deputado Luiz Moura, acusado de envolvimento com o PCC. Os dirigentes do partido temem que, se o processo continuar em meio às eleições, pode atrapalhar as candidaturas dos petistas em São Paulo, em particular a de Dilma Rousseff e Alexandre Padilha. "Isso vai ficar para depois das eleições, porque o próprio Tribunal Regional Eleitoral negou o registro de candidatura dele", disse o secretário nacional de organização do partido, Florisvaldo Souza, segundo o iG. O "engavetamento" do caso, curiosamente, vai de encontro ao discurso que Dilma assumiu sobre corrupção. Ela se orgulha em dizer que não nomeia um "Engavetador Geral da República"...
10. TSE alerta para golpes por e-mails
Alguns eleitores receberam e-mails alertando para o cancelamento do título eleitoral. No entanto, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) afirma que a mensagem é falsa, assim como qualquer outra que chegue por correio eletrônico. A autoridade eleitoral afirma que no país somente o Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul (TRE-RS) utiliza o meio, mas somente para convocar mesários.
O TSE pede cuidado aos internautas e lembra que todos os anos golpes são enviados de destinatários tentando se passar pelo tribunal em época eleitoral, segundo relatou a Folha.
Fonte: Época

0 comentários:

Postar um comentário