quinta-feira, novembro 24, 2016
6
Semana Nacional da Consciência Negra

Odo Adão
 
Ben Carson
POR: Walter Brito

Dois médicos negros são referências em seus países: Odo Adão no Brasil e Ben Carson nos Estados Unidos da América. Embora um seja cirurgião plástico e o outro neurocirurgião, tanto o mineiro de Guaxima e Uberaba, quanto o norte-americano de Detroit e Baltimore tiveram a mesma origem humilde e infância parecida.  Eles também usaram a mesma estratégia para se tornarem os bambas de suas profissões, por meio das quais conquistaram o respeito aqui em nosso país e na América do Norte respectivamente. A educação pra valer e a força de vontade transformaram a vida de cada um deles: Maktub!
Tive a oportunidade de entrevistar o doutor Adão, no auge de sua carreira profissional em sua famosa clínica de cirurgia plástica em Uberaba-MG. Fui levado ao seu encontro pelo seu filho, o empresário Odo Adão Filho, ocasião em que éramos militantes aguerridos da causa negra. O doutor Odo me disse naquela oportunidade, que perdeu seu pai quando tinha apenas 4 anos de idade e morava na roça. Por isso, desde infante teve que trabalhar duro para sobreviver. Foi engraxate, leiteiro, carroceiro e faxineiro em Uberaba. Em sua carroça ele contemplava a paisagem do Hospital Hélio Angotti, localizado em Uberaba e referência no tratamento do câncer no Brasil.
Confidenciou-me doutor Odo, que seu sonho era largar a carroça e ser faxineiro naquele hospital que ele tanto contemplava. Um certo dia ele se animou e foi falar com o diretor-geral o doutor Hélio Angotti, que gostou dele e o empregou como faxineiro. Com emprego fixo ele resolveu estudar e tornou-se o contador do hospital. Lá do outro lado da América, a do Norte e, alguns anos depois: Ben Carson ao lado de sua mãe, a faxineira divorciada do marido, Sonya Carson, lutavam por um lugar ao sol.
Como o Ben tinha miopia e não enxergava direito, ele ficou com a pecha de burro em sua escola na infância, pois só tirava notas baixas. A história do menino negro de Detroit mudaria da água para o vinho, quando a mãe foi trabalhar como faxineira na casa de um professor. Lá na bela residência do novo patrão, Sonya Carson deparou com uma enorme biblioteca. Curiosa, a doméstica perguntou ao patrão, se ele tinha lido todos aqueles livros de sua biblioteca. O professor respondeu que já tinha lido a maioria.
A resposta do professor, foi a inspiração que a semi-alfabetizada Sônia teve para colocar Ben e seu irmão mais velho dentro de uma biblioteca pública, onde os irmos Carson tinham que ler dois livros por semana cada um e entregarem o resumo para a mãe. Logo a mãe percebeu que o filho não era burro e poderia melhorar na escola. Levou-o ao oftomologista e seus problemas acabaram na sala de aula. Carson se formou com honras nos cursos do primeiro grau e médio.
Lá em Uberaba por volta de 1956, os colegas de Odo Adão na contabilidade assustaram, eis que, o negrinho da roça foi aprovado no vestibular para medicina na Faculdade de Medicina do Triângulo Mineiro. Os médicos do hospital que ele trabalhava como contador, o incentivaram e ele foi em frente. Em 1962 a famosa faculdade de medicina entregava o primeiro diploma para um médico negro. Odo se especializou em cirurgia plástica com doutor Ivo Pitanguy no Rio de Janeiro . Ele se especializou também em oncologia em Houston- Estados Unidos.
Disse-me o médico brasileiro à época, que quando chegava do exterior onde fazia os seus cursos de especialização, um certo dia um funcionário da alfândega em Belo-Horizonte, o abordou e perguntou: “ Neguinho, onde é que você vai tanto, pois o vejo chegar  e sair seguidas vezes para o exterior. Como é que você faz para viajar tanto por aí? – Humildemente ele respondeu a indagação: “Eu trabalho muito e com o dinheiro, eu compro as passagens e pago os hotéis e os curso de especialização em medicina que faço no exterior”, disse Adão. O seu interlocutor se deu por satisfeito com a resposta do médico e passou a tratá-lo com deferência quando o via chegar, ou ir para o exterior.
Odo Adão tornou-se um dos cirurgiões plásticos mais respeitados no país em todos os tempos.  Neste sentido, certa vez em uma entrevista no programa Fantástico de TV Globo, o repórter perguntou ao saudoso cirurgião Ivo Pitanguy, caso um dia ele necessitasse fazer um cirurgia plástica em seu próprio rosto, com qual cirurgião plástico ele confiaria fazer a referida intervenção. Pitanguy respondeu sem titubear: * doutor Odo Adão de Uberaba. Ele é um dos melhores que eu conheço”, afirmou. Lembrando ainda, que Odo Adão foi vice-prefeito de Uberaba e também assumiu o comando da prefeitura, quando o prefeito renunciou para assumir uma importante secretaria estadual. Odo Adão é Cônsul Honorário do Senegal em Uberaba. O médico também é o presidente do Hospital Hélio Angotti, onde um dia foi faxineiro.
Carson formou-se primeiro em psicologia na Universidade de Yale e depois em medicina, na Universidade de Michigan. Ele se especializou em neurocirurgia. Ao perceber que o futuro da neurocirurgia estava no Hospital Johns  Horkins em Baltimore, ele se inscreveu para conquistar uma das duas vagas oferecidas entre 130 candidatos. O filho de dona Sonya Carson foi o primeiro colocado e tornou-se chefe dos residentes em neurocirurgia daquela famosa instituição. Ben Carson foi o primeiro médico a realizar uma cirurgia feito dentro do útero. (cirurgia intrauterina). O médico chegou no auge de sua carreira, quando operou os gêmeos siameses da Alemanha.
No mundo da política nos EUA, Ben Carson é um republicano convicto. Ao se aposentar ele entrou na política pra valer e foi um dos pré-candidatos do Partido Republicano na última eleição presidencial. Ben foi o único pré-candidato que de fato ameaçou a liderança de Donald Trump. Na ocasião Carson chegou a pontuar com 20% de intenção de votos para presidente. Quando Trump venceu as eleições primárias e tornou-se o candidato oficial do partido republicano na disputa pela Casa Branca, Carson foi um dos primeiros a declarar apoio ao colega Trump:   “Há dois Donald Trumps diferentes. Há aquele que você vê no palco e há outro que é muito “cerebral”, senta e considera as coisas com muito cuidado, e com o qual você pode ter uma ótima conversa. Esse é o Donald Trump que vocês verão cada vez mais”, profetizou para o mundo Ben Carson.
O protagonista do filme “Mãos Talentosas” foi anunciado como o novo ministro da Habitação e Desenvolvimento Urbano do governo Donald Trump. Odo Adão e Ben Carson são dois bisnetos da Mãe África, que fizeram e fazem histórias no mundo, por meio de seus talentos, fé em Deus e muita determinação. No momento em que comemoramos no Brasil, a Semana Nacional da Consciência Negra, certamente as trajetórias de Odo Adão e Ben Carson, de alguma forma estão em sintonia com o nosso guerreiro Zumbi dos Palmares, que representa um símbolo de conquistas, lutas e vitórias da comunidade negra brasileira, como também um grande orgulho de todo o Continente Africano.

6 comentários:

  1. Quer quer faz, quem não quer arranca uma desculpa. Mas o que realmente fez a diferença na vida de Ben Carson foi a sua entrega a Deus.

    ResponderExcluir
  2. Orgulho brasileiro e de Uberaba, Dr. Odo Adão! Também José do Patrocínio que foi realmente abolicionista. Zumbi foi um ditador escravocrata de um quilombo que era seu reino. Como alguém que capturava escravos para si virou símbolo da abolição?? Vamos corrigir essa mentira e dar crédito a gente de mérito, não importa a cor.

    ResponderExcluir
  3. Dr Odo...tive o prazer de ser sua aluna.O que me impressionava além de sua capacidade profissional era a elegância em se vestir sorriso aberto com dentes que vamos mais ainda .Era de admirar o quão branco e bem passado eram as vestes de linho que usava que saltavam aos nossos olhos.

    ResponderExcluir
  4. Texto tão bem escrito, mas, infelizmente no fim, colocam estes ícones sendo comparado ao Zumbi dos Palmares.
    Até quando a história brasileira será recontada pelas metades?
    Só quem realmente sabe quem foi este homem (Zumbi) saberá a que fatos me refiro.

    ResponderExcluir