terça-feira, outubro 29, 2019
0
 O símbolo da resistência negra e da cultura nacional, Jorge Coutinho e o Rei Pelé, aniversariaram no último 23 de outubro
POR: WALTER BRITO
No último 23 de outubro, duas personalidades brasileiras completaram mais um ano de vida: Edson Arantes do Nascimento, o Pelé, conhecido no planeta Terra como o Rei do futebol, que chegou aos 79 anos, comemorados em Santos-SP, ao lado da esposa Márcia Aiok e familiares. O outro, a mistura da resistência negra com o simbolismo da cultura nacional e o ativismo político, o ator Jorge Coutinho, que comemorou o seu natalício número 86, ao lado de seus colegas atores no Teatro Cacilda Becker,  por meio também de telefonemas dos amigos dos velhos e novos tempos, como o ator Milton Gonçalves e outros; além dos abraços de alguns componentes do Sindicato dos Artistas do Rio de Janeiro - Sated, onde Coutinho é presidente pelo quarto mandato consecutivo, e Milton Gonçalves, o secretário-geral. A última eleição do Sated foi travada por Coutinho e diversos colegas famosos e também colegas dos bastidores, que formaram a verdadeira unidade na diversidade, quando venceram seus opositores, num um momento em que Deus foi generoso com o carioca da gema, pois o placar foi 65% contra 35%.
Jorge Coutinho e a atriz Djenane Machado foram protagonistas do primeiro beijo na boca de um negro em uma mulher braca na TV em 1968
Jorge Coutinho é dono de uma história permeada por muitas lutas, conquistas, vitórias e, com muita dignidade! Tudo começou pra valer no Copacabana Palace, quando o adolescente de São Cristovam e Cordovil, que estudou com luz de lamparina, trabalhou em sua adolescência como bombeiro hidráulico no famoso hotel construído pela família Guinle. O Copa, que hospedou ao longo dos anos as maiores personalidades do meio artístico, empresarial e político do mundo, inspirou o filho da vassourense, Dona Mercedes Antônio Coutinho. Impressionado com o mundo das artes, que passava obrigatoriamente pela sua casa de trabalho, Coutinho sempre pensou grande e por isso escolheu para sua formação profissional, como ator, a melhor escola de teatro de sua época, o curso Tablado, sob o comando de Maria Clara Machado.
A saudosa atriz Ruth de Souza e Jorge Coutinho nos velhos tempos
 Coutinho ganhou o mundo por meio do teatro, cinema e televisão, quando se fez presente na criação do Cinema Novo e Grupo e Teatro Opinião, oportunidade em que percorreu o Brasil pregando a reforma agrária, com o Centro Popular de Cultura – CPC,  da União Nacional dos Estudantes - UNE . Exilado na Argentina nos anos de chumbo, Coutinho voltou ao Brasil para continuar sua história contra o racismo, a favor da igualdade e da integração do negro no processo de desenvolvimento do país, quando escandalizou o tradicionalismo cultural e preconceituoso, ao protagonizar o primeiro beijo de um negro na boca de uma branca, na novela “Passos dos Ventos” da autora Janete Clair, na TV Globo, onde ainda hoje é funcionário.
Mangueirense de carteirinha, Coutinho é um homem do samba e transita bem em todas as escolas, o que o tornou amigo de cantores e compositores que fizeram e fazem a história do samba em nosso país. É importante lembrar que Jorge Coutinho foi homenageado pela Portela, Escola de Samba de sua saudosa mãe, pela qual desfilou na Sapucaí, com muito orgulho, ao lado de diversos colegas famosos, cujo enredo foi baseado na vida de Clara Nunes, amiga do peito e do coração de Jorge Coutinho. Como ator, Jorge participou de quatorze novelas e oito filmes no cinema, todos com muito profissionalismo, criatividade e sucesso. Além de ser roteirista, Coutinho desempenhou trabalhos importantes como diretor de diversos filmes em sua carreira artística que completou 61 anos de atividade ininterrupta. O ator também construiu uma bela história como diretor na Rádio Roquette Pinto no Rio de Janeiro, ao lado do ator e ativista político inesquecível, que também era poeta e advogado, o saudoso Mário Lago.
Embora Jorge Coutinho seja mangueirense de carteirinha, ele é amigo de Monarco da Portela e de toda turma do samba carioca
O guerreiro da cultura nacional, ativista político desde sua juventude, ao lado de Ulysses Guimarães e Milton Gonçalves, os quais ajudaram a fundar o MDB velho de guerra, pelo qual Jorge já foi candidato a suplente de senador pelo Rio de Janeiro, foi presidente Nacional do MDB Afro e conselheiro de comunicação do Congresso Nacional. Como se sabe, Jorge Coutinho é, sem dúvida, um dos mais importantes representantes do MDB histórico, e nele permanece até hoje na defesa de seus princípios éticos, na defesa inconteste da cultura, na defesa das minorias e da integração do negro e da comunidade indígena ao processo de desenvolvimento da nação brasileira.

É com esta bagagem que parte significativa do mundo cultural do Rio de Janeiro, intelectuais de diversos segmentos, representantes das classes menos favorecidas, ativistas da comunidade negra e defensores da ficha limpa para o exercício de cargos públicos apontam a estrela que poderá brilhar nas eleições de 2020 para prefeito do Rio de Janeiro, o ator Jorge Coutinho.
Jorge Coutinho é lançado por Milton Gonçalves para prefeito do Rio de Janeiro
Entrevistado pela reportagem, o ator Milton Gonçalves disse o seguinte: “O Rio de Janeiro precisa de um prefeito em 2020, comprometido com a história de nossa cidade. O Coutinho, dono de uma trajetória sem máculas, um ficha limpa e em pleno vigor aos 86 anos de idade, certamente tem potencial para reforçar o nosso MDB e fazê-lo voltar aos tempos de glória, quando éramos o partido político referencial da América Latina. Tive a satisfação de viajar pelo Brasil ao lado de doutor Ulysses Guimarães e do jovem deputado Dante de Oliveira, quando pregamos em alto e bom som, aos brasileiros de todos os rincões, o discurso que pegou e reacendeu a chama da democracia em nosso país, por meio do grito uníssono de nosso povo: “Diretas Já”.
Coutinho tem apoio de Xande de Pilares, como pré - candidato a prefeito do Rio de Janeiro
Portanto, sinto-me na obrigação de incentivar a pré-candidatura de Jorge Coutinho para prefeito do Rio. Esta vontade aumenta, ao relembrar que sou um brasileiro que me fiz no Rio de Janeiro, a mais bela cidade do mundo, que tem como símbolo o Cristo Redentor. Neste sentido, cito a representatividade do Cristo Redentor, no alto do morro do Corcovado, simbolizando a fé de um povo; a fé de uma população que não pode perder a esperança por causa da violência; a fé das pessoas que souberam construir com maestria o berço da cultura nacional; a fé de cariocas e brasileiros residentes em nossa cidade, que precisam  ganhar o mínimo com dignidade para sobreviverem; enfim, a fé do povo negro que construiu com o seu sangue, os pilares de uma nação de 210 milhões de brasileiros, representante da oitava economia do mundo e que, ainda assim, nunca participou de sua administração! Jorge Coutinho eleito prefeito do Rio de Janeiro, certamente representará o povo no poder. Por ter sabido construir sua história com muito esmero, fé e dignidade, Coutinho saberá escolher os melhores técnicos para sua assessoria, com muita competência e o coração de um carioca da gema como ele, para fazer o Rio de Janeiro continuar com o título de Capital Maravilhosa. SALVE JORGE!”, concluiu o ator Milton Gonçalves.
Como se vê, o incrível Jorge Coutinho quebra o silêncio da negritude carioca, com o reforço das  belas palavras de Milton Gonçalves,  Xande de Pilares e outros, ao tempo em que se coloca como pré-candidato a prefeito do MDB no Rio de Janeiro e sugere que os institutos de pesquisas, a partir de agora, coloquem o seu nome na pergunta estimulada, entre os quase trinta pré-candidatos que já se apresentaram. Voltando a Xande, ele disse: “Jorge! É Deus quem aponta a estrela que tem que brilhar”.
 Questionado pela reportagem sobre o seu pleito rumo ao Palácio da Cidade do Rio De Janeiro, Jorge Coutinho afirmou: “Agradeço as  palavras de incentivo do meu amigo Milton Gonçalves, quando aponta o meu nome como opção do MDB para disputar a eleição para prefeito do Rio, e digo: Milton, estou pronto para mais esta batalha e sou, sim, pré-candidato  a prefeito do Rio de Janeiro! Quero pedir a atenção especial dos dirigentes dos institutos de pesquisas, pois autorizo a colocação de meu nome, a partir da publicação desta matéria, em todas as perguntas, quando sugeridos os nomes de pré-candidatos para prefeito do Rio de Janeiro. Agradeço as manifestações públicas sobre minha pré-candidatura, como a do Xande de Pilares, autor de uma das músicas da novela da TV Globo a Dona do Pedaço. Agradeço também, a manifestação pública do brigadeiro Átila Maia, que obteve quase 136 votos para o Senado no Distrito Federal em 2018. O brigadeiro, que já morou no Rio, conhece bem a nossa cidade, e se colocou ao meu dispor, após a aprovação de meu nome na convenção partidária, no sentido de elaborar o plano de Segurança Pública para a cidade do Rio de Janeiro. Em tempo, quero dizer aos fundadores de nossa legenda: Vamos resgatar os nomes dos autênticos do MDB, que se afastaram por diversos motivos. É hora da união e, juntos e unidos, vamos reconstruir a verdadeira história do Rio de Janeiro e de nosso amado Brasil. Um grande axé para todos. Salve, doutor Ulysses Guimarães, o timoneiro que me levou para o MDB velho de guerra”, concluiu o pré-candidato a prefeito do Rio de Janeiro, Jorge Coutinho!
Jorge Coutinho e o Brigadeiro Átila Maia. Este, vai elaborar o plano de Segurança Pública para a Cidade do Rio de Janeiro

Próximo
Esse é o post mais recente
Postagem mais antiga

0 comentários:

Postar um comentário