quarta-feira, maio 06, 2020
0
Na foto, Carlos Eduardo Palma, Nídia Marlene Fernandes e Baianimho, o homem  que enfrentou o Covid 19  aos 76 anos de idade


Por: Walter Brito

O meu dia hoje, 5/5/2020, começou inusitado aqui em Copacabana, no Rio. Eu que já passei dos 60, permaneço bem quietinho em casa como determina a Organização Mundial de Saúde - OMS, pois a Covid-19 está a todo vapor. Segundo reportagem do último domingo no Fantástico, o vírus é transmitido até por meio do ar.
Eu estava bem tranquilo revendo o Programa Respeita Januário, que mantenho diariamente no You Tube, sempre às 7 da manhã. A publicação desta terça-feira foi sobre o passamento dos já saudosos amigos e astros da cultura nacional, o colega escritor Aldir Blanc e o ator do primeiro time da Globo, Flávio Migliaccio.
O primeiro faleceu aos 73 anos, de Covid-19, e o Xerife, supostamente foi suicídio aos 85 anos. Foi encontrada uma carta com uma frase forte que diz: Me desculpem, mas não deu! - A velhice neste país é o caos.
Aldir Blanc foi um boêmio em sua juventude, com quem tomei muitos pileques na Vila Izabel de Noel, na Lapa e Leme, passando Copa e Ipanema, mas não fomos juntos ao Pontal no Recreio. Aldir, em parceria com João Bosco, fizeram o belo hino entoado por Elis Regina, O Bêbado e a Equilibrista. Flávio Migliaccio me foi apresentado no início dos anos 80 no Teatro João Caetano, em minha juventude plena. Por diversas vezes o entrevistei e era sempre criativo em suas respostas. Ambos pessoas do bem. Ainda não tinha concluído minha tarefa de rever a edição do vídeo que hoje foi ao ar atrasado, eis que liga em meu celular um outro idoso, direto de Brasília, a capital do poder.
O Baiano, de chapéu branco e personalidades que frequentam o clube mais famoso do Brasil
Tratava-se do Baianinho que, aos 76, venceu por meio de muita luta a covid-19. E já foi pontuando: "Você pensou que eu iria visitar o Nilson Curado mais cedo, não é? Pois estou são e salvo do coronavírus", disse. Nilson foi o famoso advogado criminalista que faleceu aos 56 anos.
O eterno assessor do ex-presidente José Sarney, o advogado Hezir Spíndola e o Baianinho em sua mesa cativa no Iate

Baininho foi, em seu tempo, o mais famoso professor de geografia da Rede Educacional do DF. Era o famoso professor Walmar Montenegro Mattos. Os alunos do Elefante Branco ficavam em polvorosa em dia de prova, pois as provas eram difíceis, bem elaboradas e ninguém colava. Só passava quem sabia. Assim foi em todos os colégios pelos quais ele passou. Voltando ao meu dia que começou inusitado, foi uma festa em tempo de Covid-19, quando o velho amigo e professor porreta Walmar Montenegro Matos me disse ao telefone que estava livre do coronavírus. No mesmo instante eu lhe disse que a minha matéria de hoje teria o título: "Baianinho, o homem de sete vidas que venceu a Covid-19 aos 76 anos". Aqui está! Foi uma mistura de alegria, de fé e saudades da amizade de 49 anos, ou seja, quase meio século.
Baianinho de peruca rosa em um dos carnavais do Iate Clube de Brasília
Foi Baianinho que me levou pela primeira vez ao Iate Clube e, junto com Nilson Curado, abriram as portas da alta sociedade para  um menino negro, simples e com apenas 16 anos, vindo da cidade de Formosa-GO, no Entorno de Brasília. Naquela ocasião, um garoto sem recursos financeiros estudar no famoso Elefante Branco era coisa que só existia em sonho ou no cinema, pois praticamente nem sequer televisão tínhamos no interior de Goiás.
Vale ressaltar que o Iate Clube já ganhou diversos títulos como o melhor clube do Brasil. O Iate foi inaugurado em 5 de abril de 1960, anterior à inauguração de Brasília, por isso a afinidade de JK com o clube. Juscelino Kubitschek disse da altura de sua sensibilidade a seguinte frase: "O Iate Clube de Brasília é a sala de visitas da nova metrópole". E Baianinho, a maioria de seus 76 anos, passou dentro daquele clube que é sua paixão e ele é o comodoro vitalício, por consideração de seus pares e com o respeito de meu amigo, o comodoro de fato e de direito, doutor Rudy Finger.
O orçamento anual do Iate é maior que o orçamento de 40% das 5570 prefeituras brasileiras. É lá que, depois de aposentado, o Baianinho passa o tempo em sua mesa cativa, de frente para o Lago Paranoá e de frente à melhor paisagem do clube, de acordo com os grandes fotógrafos e artistas plásticos renomados, como Siron Franco e outros. Passa pela mesa do Baiano a República e os empresários renomados do poder. O clube está fechado, conforme determina a Organização Mundial de Saúde - OMS, pois a Covid-19 que assusta o planeta Terra já matou quase 8 mil brasileiros e está com mais de 100 mil infectados. Mas ainda assim, o meu amigo Baianinho sobreviveu. Breve, ele espera ocupar sua mesa cativa e esperar passar por lá o presidente Jair Bolsonaro. Vale lembrar que no estatuto do Iate Clube existe um cláusula, em o presidente da República eleito tem a prerrogativa de receber gratuitamente o título do Clube.

 Baianinho de chapéu branco e bola amarela na mão. Com ele, alguns dos frequentadores do Quartier Latin no Iate Clube de Brasília
Embora o comodoro Rudy Finger já tenha conversado em audiência sobre o assunto com o general Heleno no Palácio do Planalto, o presidente priorizou andar pelas padarias e farmácias da periferia de Brasília e comer pastéis quentes com o povo de Cristalina-GO, no Posto JK localizado na BR-040, distante 130 km do Palácio do Planalto. Ainda assim, Baianinho disse a este repórter que assim que o clube abrir as portas após a pandemia, ele gostaria de oferecer um churrasco no Quartier Latin, a churrasqueira mais democrática e prestigiada do Clube, onde sentam à mesa os mais simples funcionários do clube ao lado da grã-finagem brasiliense.

UTI NO APARTAMENTO DO BAIANINHO

Baianinho e sua sobrinha em plena recuperação do Coronavírus


O baiano mais famoso de Brasília contou, via celular, a este repórter, de forma emocionada que há 42 dias não sai de casa e, se ele tivesse plano de saúde teria morrido, pois o tratamento dele era de alto risco e caro, por isso a empresa passaria três ou quatro dias analisando o seu caso, que precisava de ação imediata. Por isso, ele montou uma UTI dentro de sua casa com uma equipe médica de alto padrão sob o comando do doutor Eduardo Vilela. Ele disse ainda que, embora fora do peso, 76 anos completados em março, passou por um sofrimento terrível, sem vontade de se alimentar, febres constantes, a garganta inflamada e fechada, cansaço de levar comida à boca e dores por todos os lados, entretanto reagiu. Questionado se teve medo de morrer, ele deu uma risada sarcástica que só os baianos famosos como ele e Ruy Barbosa souberam e sabem dar, e arrematou: "Eu tive muita fé e acreditei firmemente na competência do doutor Eduardo Vilela e sua equipe, oportunidade em que agradeço a Deus, ao doutor Eduardo, à solidariedade de amigos que estão ligando de diversos lugares do planeta Terra, de meus amados irmãos: Osdyr Brasileiro Matos, Osdymar Montenegro Matos, Waldyr Montenegro Matos Júnior (Boró) e meus de mais familiares. Assim que eu puder, vou visitar o Sequinho, dono da banca de revista da quadra em que moro na Asa Sul”. Sequinho é irmão do ex-senador maranhense Chiquinho Escórcio. “Diga ao mundo por meio desta reportagem, meu amigo Walter Brito, que o Baianinho sobreviveu à covid-19", concluiu.

O baianinho e uma amiga frequentadora do clube mais famoso do Brasil
Contato com Walter Brito: (61) 99662-4395

0 comentários:

Postar um comentário